Queda nas vendas de carros foi de 26,5% em 2015



  

Percentual de queda nas vendas registrado em 2015 não era alcançado desde o ano de 2007.

Desde o ano de 2013 a venda de carros novos está em declínio, e no ano de 2015 a queda nas vendas chegou a 26,5%. Tal percentual não era alcançado desde o ano de 2007.

Nesse levantamento está incluída a venda de carros, caminhões e ônibus zero km. A venda de motos não está contabilizada nesse percentual.

Em 2013 ocorreram 3.497.810 emplacamentos, em 2014 houve um queda de 7,15% sobre esse total e em 2015 novamente houve queda de 26,55% em relação ao número de emplacamentos do ano de 2014.

No ano de 2015 foram emplacados 2.569.014 veículos, sendo que entre os anos de 2009 e 2014 o total de emplacamentos não esteve abaixo de 3.000.000. O ano com o maior número de emplacamentos foi em 2012, quando se alcançou o ápice de 3.801.808 veículos emplacados.

Fatores como a crise política, o aumento do número de desempregados, a baixa do PIB e a alta do dólar foram os principais motivos para tamanha queda de vendas em 2015.

Em decorrência do declínio de vendas do setor, acarretaram no corte de 32 mil empregos e 1.047 concessionárias.





O setor de ônibus e caminhões foram o que mais sofreram impacto no ano de 2015. As vendas de ônibus caíram 36,5% totalizando 20.323 unidades, as vendas de caminhões diminuíram quase que pela metade com 71.787 unidades, representando uma queda de 47,6%.

O setor de motos foi o que menos sofreu impacto com queda de 11%, caindo de 1.429.929 unidades em 2014 para 1.273.250 unidades para 2015.

A perspectiva para 2016 não é das melhores, segundo a Fenabrave deve ocorrer nova queda, agora de 5,9% para o setor de automóveis. Para caminhões e ônibus, a expectativa da Fenabrave é queda de 2,8% para 2016.

Ainda não foram divulgados os indicadores de vendas de carros usados, mas o presidente da Fenabrave já adianta que houve crescimento no segundo semestre de 2015.                        

Por Jean Fretta Pereira

Vendas de carros

Foto: Divulgação



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *